Publicado por: Fabiano Medeiros | 4 outubro, 2009

Álbum de minha bisavó Ambrosina da Costa Medeiros – p. 12 e 13

Ambrosina da Costa Medeiros é minha bisavó por parte de pai. O álbum que passarei a publicar em várias postagens a partir desta pertencia a ela e foi até hoje bem preservado por minha tia Vanda Medeiros Melo, neta dela, irmã de meu pai.

A publicação dessas postagens com fotos e explicações sobre o álbum revestem-se de um senso profundo de gratidão não só pela preservação cuidadosa do álbum, mas pelo fato de tia Vanda o haver emprestado a mim por volta de 2002 para que eu pudesse digitalizar, preservar e disseminar suas fotos. Tia Vanda faleceu este ano, e lhe faço dessas postagens uma homenagem póstuma!

Ano passado, juntei o álbum a várias cópias de outras fotos de seu interesse, além de várias outas fotos avulsas originais que ela também me havia confiado, e devolvi tudo com um bilhete de imensa gratidão. Fico feliz que o tenha feito antes de seu falecimento. Fatos como esses me assustam e me lembram com ainda mais clareza da brevidade da vida, do peso de assumirmos a responsabilidade pelo que somos e fazemos aqui e agora e do horror da procrastinação, que nos assola a todos!

Como o álbum chegou às mãos da tia Vanda

O referido álbum foi passado às mãos do tio de meu pai, Celico Medeiros, casado com a tia Maruca Melo. Por ocasião do falecimento desses, o álbum ficou em poder dos filhos. Por ser tia Vanda casada também com um Mello, da mesma família, isso explica por que o álbum foi parar justamente nas mãos dela dentre todos os outros irmãos de meu pai.

Quando Nelson Medeiros Franke, meu primo, foi ao Herval há quase dois anos, conseguiu identificar algumas das pessoas retratadas neste álbum e, com a ajuda de Aldemiro Teixeira Medeiros, outro parente nosso, descobriu outro álbum de Ambrosina, semelhante a este, mas em estado precário de conservação. Muitas outras fotos constavam desse outro álbum, sendo algumas delas identificadas, digitalizadas, preservadas e publicadas por Nelson em seu fantástico site Medeiros Franke. Esse referido álbum, de cor azul, será tratado em outra série de postagens.

Depois da última postagem, postarei também um índice para auxiliar o leitor e consulente a navegar por este maravilhoso álbum de Ambrosina.

Ao compilar este álbum virtual, alguns princípios nortearam meu trabalho:

  • Disponibilizar as imagens de modo que mostrassem fielmente os originais, com todas as marcas do tempo. Como se o internauta estivesse ou pudesse estar com o álbum em mãos.
  • Procurar indicar características do álbum, das fotos, do material empregado ou da montagem que escapam a um consulente via Internet. O objetivo é conferir o máximo possível de prazer real a quem percorrer as páginas do álbum. (Espero que você possa até sentir o cheiro maravilhoso de um álbum de 1850 surpreendentemente bem preservado!)
  • Mostrar a sequência exata das páginas e das fotos, ainda que as fotos, como estão hoje, não sigam necessariamente a ordem original do álbum ou a ordem que tinha quando foi passado às mãos de minha tia paterna Vanda Medeiros Mello.
José Zeferino da Costa Medeiros, irmão de Ambrosina, e a mulher, Ana

Décima segunda e décima terceira páginas

José Zeferino da Costa Medeiros, irmão de Ambrosina, e a mulher, Ana

José Zeferino da Costa Medeiros, irmão de Ambrosina, e a mulher, Ana

5,2 x 9,4 (foto)

6,3 x 10,3 (passe-partout)

Inscrição: BAPTISTA LHULLIER/ PELOTAS.

Inscrição do verso: Photographia/ BAPTISTA LHULLIER/ Rua General Ozorio N.o 95/ PELOTAS.

Trata-se de José Zeferino da Costa Medeiros, irmão de Ambrosina, e a esposa, Ana Maria. No início de 2003, andei quase 30 quilômetros pelas antigas terras hervalenses dos Munizes, Costas e Medeiros, indo dar na casa da nora do garboso casal, Elodina da Costa Medeiros, um mês antes de completar seus 103 anos e perto de um ano antes de seu falecimento. (Vim saber em janeiro de 2004 que ela faleceu sem completar seus 104 anos.) O motivo da maratona foi a notícia de que na parede da sala havia um quadro, uma fotografia talvez, de meu trisavô, sogro de Ambrosina: Zeferino Inácio de Medeiros.

Fiquei frustrado ao perceber que se tratava de outro Zeferino, o avó de todos aqueles senhores e sonhoras, solteiros e viúvos, todos irmãos, que residiam na casa, junto com a mãe, Elodina. Afinal, que ligação poderia ter aquele zeferino com a minha família? Nenhum dos netos soube responder! O que aumentou ainda mais minha frustração. Mostrando o álbum de Ambrosina aqui publicado, o qual eu levava em minhas mãos imediatamente após  havê-lo resgatado de minha tia Vanda, redobrou-se minha frustração quando Elodina, que poderia reconhecer a muitas das fotos, me informou estar incapacitada de enxergar… E seus filhos nada sabiam…

Mas uma das filhas chamou a minha atenção para a foto acima, no álbum… a mesma pendurada na parede, em dimensões muito maiores. Eram seu avós, sogros de Elodina! Fiquei  feliz por ver as netas do casal  entusiasmadamente reconhecerem os avós na fotografia.

Mas somente depois que fui fazer as vinculações… e descobrir que o belo rapaz da foto era irmão de minha bisavó! Meu tio-bisavô!

* * *

Não havia nenhuma foto encaixada à moldura de número 13 quando o álbum me chegou às mãos. O que se vê na ranhura é a inscrição do verso da próxima foto, a de número 14.

Anúncios
Publicado por: Fabiano Medeiros | 4 outubro, 2009

Álbum de minha bisavó Ambrosina da Costa Medeiros – p. 10 e 11

Ambrosina da Costa Medeiros é minha bisavó por parte de pai. O álbum que passarei a publicar em várias postagens a partir desta pertencia a ela e foi até hoje bem preservado por minha tia Vanda Medeiros Melo, neta dela, irmã de meu pai.

A publicação dessas postagens com fotos e explicações sobre o álbum revestem-se de um senso profundo de gratidão não só pela preservação cuidadosa do álbum, mas pelo fato de tia Vanda o haver emprestado a mim por volta de 2002 para que eu pudesse digitalizar, preservar e disseminar suas fotos. Tia Vanda faleceu este ano, e lhe faço dessas postagens uma homenagem póstuma!

Ano passado, juntei o álbum a várias cópias de outras fotos de seu interesse, além de várias outas fotos avulsas originais que ela também me havia confiado, e devolvi tudo com um bilhete de imensa gratidão. Fico feliz que o tenha feito antes de seu falecimento. Fatos como esses me assustam e me lembram com ainda mais clareza da brevidade da vida, do peso de assumirmos a responsabilidade pelo que somos e fazemos aqui e agora e do horror da procrastinação, que nos assola a todos!

Como o álbum chegou às mãos da tia Vanda

O referido álbum foi passado às mãos do tio de meu pai, Celico Medeiros, casado com a tia Maruca Melo. Por ocasião do falecimento desses, o álbum ficou em poder dos filhos. Por ser tia Vanda casada também com um Mello, da mesma família, isso explica por que o álbum foi parar justamente nas mãos dela dentre todos os outros irmãos de meu pai.

Quando Nelson Medeiros Franke, meu primo, foi ao Herval há quase dois anos, conseguiu identificar algumas das pessoas retratadas neste álbum e, com a ajuda do seu Aldemiro Teixeira Medeiros, outro parente nosso, descobriu outro álbum de Ambrosina, semelhante a este, mas em terrível estado de deterioração. Muitas outras fotos constavam desse outro álbum, sendo algumas delas identificadas, digitalizadas, preservadas e publicadas por Nelson em seu fantástico site Medeiros Franke. Esse referido álbum, de cor azul, será tratado em outra série de postagens.

Depois da última postagem, postarei também um índice para auxiliar o leitor e consulente a navegar por este maravilhoso álbum de Ambrosina.

Ao compilar este álbum virtual, alguns princípios nortearam meu trabalho:

  • Disponibilizar as imagens de modo que mostrassem fielmente os originais, com todas as marcas do tempo. Como se o internauta estivesse ou pudesse estar com o álbum em mãos.
  • Procurar indicar características do álbum, das fotos, do material empregado ou da montagem que escapam a um consulente via Internet. O objetivo é conferir o máximo possível de prazer real a quem percorrer as páginas do álbum. (Espero que você possa até sentir o cheiro maravilhoso de um álbum de 1850 surpreendentemente bem preservado!)
  • Mostrar a seqüência exata das páginas e das fotos, ainda que as fotos, como estão hoje, não sigam necessariamente a ordem original do álbum ou a ordem que tinha quando foi passado às mãos de minha tia paterna Vanda Medeiros Mello.

ambrosina_p10e11

Na página da direita (11), a inscrição a lápis: Pequeno.

Celico Afonso da Costa Medeiros, terceiro filho de Sebastião e Ambrosina, casado com Onorina Mello

Celico Afonso da Costa Medeiros, terceiro filho de Sebastião e Ambrosina, casado com Onorina Mello

4,1 x 7,3 (foto)

6,1 x 9,3 (passe-partout)

Ao que tudo indica, a foto não pertence originalmente ao álbum, visto que seu retratado, Celico Afonso da Costa Medeiros, filho de Ambrosina, não deve ser contemporâneo dos demais fotografados do álbum.

Inscrição no verso: João Bosch/ Photographo/ BAGÉ.

ambrosina_f11fev

5,4 x 9,3 (foto)

6,3 x 10,2 (passe-partout)

Convém ressaltar que a inscrição a lápis, feita na página do álbum que lhe serve de moldura (Pequeno) não necessariamente indica o fotografado. Alguma inversão de fotos pode ter se dado. Pode também ser que alguém, com o álbum em mãos, uma vez tendo tomado conhecimento do nome do homem da foto, resolveu resgistrar para que não mais fosse esquecido.

Publicado por: Fabiano Medeiros | 4 outubro, 2009

Álbum de minha bisavó Ambrosina da Costa Medeiros – p. 8 e 9

Ambrosina da Costa Medeiros é minha bisavó por parte de pai. O álbum que passarei a publicar em várias postagens a partir desta pertencia a ela e foi até hoje bem preservado por minha tia Vanda Medeiros Melo, neta dela, irmã de meu pai.

A publicação dessas postagens com fotos e explicações sobre o álbum revestem-se de um senso profundo de gratidão não só pela preservação cuidadosa do álbum, mas pelo fato de tia Vanda o haver emprestado a mim por volta de 2002 para que eu pudesse digitalizar, preservar e disseminar suas fotos. Tia Vanda faleceu este ano, e lhe faço dessas postagens uma homenagem póstuma!

Ano passado, juntei o álbum a várias cópias de outras fotos de seu interesse, além de várias outas fotos avulsas originais que ela também me havia confiado, e devolvi tudo com um bilhete de imensa gratidão. Fico feliz que o tenha feito antes de seu falecimento. Fatos como esses me assustam e me lembram com ainda mais clareza da brevidade da vida, do peso de assumirmos a responsabilidade pelo que somos e fazemos aqui e agora e do horror da procrastinação, que nos assola a todos!

Como o álbum chegou às mãos da tia Vanda

O referido álbum foi passado às mãos do tio de meu pai, Celico Medeiros, casado com a tia Maruca Melo. Por ocasião do falecimento desses, o álbum ficou em poder dos filhos. Por ser tia Vanda casada também com um Mello, da mesma família, isso explica por que o álbum foi parar justamente nas mãos dela dentre todos os outros irmãos de meu pai.

Quando Nelson Medeiros Franke, meu primo, foi ao Herval há quase dois anos, conseguiu identificar algumas das pessoas retratadas neste álbum e, com a ajuda do seu Aldemiro Teixeira Medeiros, outro parente nosso, descobriu outro álbum de Ambrosina, semelhante a este, mas em terrível estado de deterioração. Muitas outras fotos constavam desse outro álbum, sendo algumas delas identificadas, digitalizadas, preservadas e publicadas por Nelson em seu fantástico site Medeiros Franke. Esse referido álbum, de cor azul, será tratado em outra série de postagens.

Depois da última postagem, postarei também um índice para auxiliar o leitor e consulente a navegar por este maravilhoso álbum de Ambrosina.

Ao compilar este álbum virtual, alguns princípios nortearam meu trabalho:

  • Disponibilizar as imagens de modo que mostrassem fielmente os originais, com todas as marcas do tempo. Como se o internauta estivesse ou pudesse estar com o álbum em mãos.
  • Procurar indicar características do álbum, das fotos, do material empregado ou da montagem que escapam a um consulente via Internet. O objetivo é conferir o máximo possível de prazer real a quem percorrer as páginas do álbum. (Espero que você possa até sentir o cheiro maravilhoso de um álbum de 1850 surpreendentemente bem preservado!)
  • Mostrar a seqüência exata das páginas e das fotos, ainda que as fotos, como estão hoje, não sigam necessariamente a ordem original do álbum ou a ordem que tinha quando foi passado às mãos de minha tia paterna Vanda Medeiros Mello.
Oitava e nona páginas

Oitava e nona páginas

Laudelino da Costa Medeiros, identificado por Aldemiro Teixeira Medeiros

Laudelino da Costa Medeiros, identificado por Aldemiro Teixeira Medeiros

5,6 x 9,1 (foto)

6,4 x 10,3 (passe-partout)

Inscrição no verso: Eduardo Wilhelmy.

ambrosina_f9fev

5,5 x 9,4 (foto)

6,4 x 10,1 (passe-partout)

Inscrição no verso: Sebastião da C.ta Med.ros.

Publicado por: Fabiano Medeiros | 1 outubro, 2009

Álbum de minha bisavó Ambrosina da Costa Medeiros – p. 6 e 7

Ambrosina da Costa Medeiros é minha bisavó por parte de pai. O álbum que passarei a publicar em várias postagens a partir desta pertencia a ela e foi até hoje bem preservado por minha tia Vanda Medeiros Melo, neta dela, irmã de meu pai.

A publicação dessas postagens com fotos e explicações sobre o álbum revestem-se de um senso profundo de gratidão não só pela preservação cuidadosa do álbum, mas pelo fato de tia Vanda o haver emprestado a mim por volta de 2002 para que eu pudesse digitalizar, preservar e disseminar suas fotos. Tia Vanda faleceu este ano, e lhe faço dessas postagens uma homenagem póstuma!

Ano passado, juntei o álbum a várias cópias de outras fotos de seu interesse, além de várias outas fotos avulsas originais que ela também me havia confiado, e devolvi tudo com um bilhete de imensa gratidão. Fico feliz que o tenha feito antes de seu falecimento. Fatos como esses me assustam e me lembram com ainda mais clareza da brevidade da vida, do peso de assumirmos a responsabilidade pelo que somos e fazemos aqui e agora e do horror da procrastinação, que nos assola a todos!

Como o álbum chegou às mãos da tia Vanda

O referido álbum foi passado às mãos do tio de meu pai, Celico Medeiros, casado com a tia Maruca Melo. Por ocasião do falecimento desses, o álbum ficou em poder dos filhos. Por ser tia Vanda casada também com um Mello, da mesma família, isso explica por que o álbum foi parar justamente nas mãos dela dentre todos os outros irmãos de meu pai.

Quando Nelson Medeiros Franke, meu primo, foi ao Herval há quase dois anos, conseguiu identificar algumas das pessoas retratadas neste álbum e, com a ajuda do seu Aldemiro Teixeira Medeiros, outro parente nosso, descobriu outro álbum de Ambrosina, semelhante a este, mas em terrível estado de deterioração. Muitas outras fotos constavam desse outro álbum, sendo algumas delas identificadas, digitalizadas, preservadas e publicadas por Nelson em seu fantástico site Medeiros Franke. Esse referido álbum, de cor azul, será tratado em outra série de postagens.

Depois da última postagem, postarei também um índice para auxiliar o leitor e consulente a navegar por este maravilhoso álbum de Ambrosina.

Ao compilar este álbum virtual, alguns princípios nortearam meu trabalho:

  • Disponibilizar as imagens de modo que mostrassem fielmente os originais, com todas as marcas do tempo. Como se o internauta estivesse ou pudesse estar com o álbum em mãos.
  • Procurar indicar características do álbum, das fotos, do material empregado ou da montagem que escapam a um consulente via Internet. O objetivo é conferir o máximo possível de prazer real a quem percorrer as páginas do álbum. (Espero que você possa até sentir o cheiro maravilhoso de um álbum de 1850 surpreendentemente bem preservado!)
  • Mostrar a seqüência exata das páginas e das fotos, ainda que as fotos, como estão hoje, não sigam necessariamente a ordem original do álbum ou a ordem que tinha quando foi passado às mãos de minha tia paterna Vanda Medeiros Mello.
    Sexta e sétima páginas

    Sexta e sétima páginas

    Sexta foto (frente)

    Sexta foto (frente)

    5,6 x 9,1 (foto; com alto-relevo na parte oval)

    6,4 x 10,3 (passe-partou)

    Foto de Manoel Pereira da Costa, irmão de Astrogildo Pereira da Costa e também tio de Ambrosina.

    Sexta foto (verso)

    Sexta foto (verso)

    A dedicatória diz: A’ minhas sobrinhas Ambrozina e Dionizia, que por amisade lhes offerece seu Tio Manoel Pereira da Costa. A inscrição longitudinal é do papel fotográfico e indica o nome do fotógrafo ou de seu estúdio: Eduardo Wilhelmy.

    Sétima foto (frente e verso)

    Sétima foto (frente e verso)

    5,8 x 8,2 (foto)

    6,1 x 10,2 (passe-partou)

    A inscrição do cartão diz: Aug. Amoretty. Primeiro círculo: EXPOSIÇÃO BRASILEIRA ALLEMÃ 1881/ PORTO ALEGRE RIO GRANDE. Segundo círculo: GRATIA LABOR TIBI SOLATIA PRAEBES/ HONRA AO MÉRITO. Fora do segundo círculo: Pelotas.

    A inscrição do cartão no verso diz: Nos círculos, a mesma inscrição da frente. O restante da inscrição do verso diz: PREMIADO NA EXPOSIÇÃO BRASILEIRA ALLEMÃ COM A MEDALHA DE OURO EM 1881/ AUGUSTO AMORETTY/ NO. 102A/ RUA ANDRADE NEVES/ PELOTAS/ L& D PARIS.

    Publicado por: Fabiano Medeiros | 1 outubro, 2009

    Álbum de minha bisavó Ambrosina da Costa Medeiros – p. 4 e 5

    Ambrosina da Costa Medeiros é minha bisavó por parte de pai. O álbum que passarei a publicar em várias postagens a partir desta pertencia a ela e foi até hoje bem preservado por minha tia Vanda Medeiros Melo, neta dela, irmã de meu pai.

    A publicação dessas postagens com fotos e explicações sobre o álbum revestem-se de um senso profundo de gratidão não só pela preservação cuidadosa do álbum, mas pelo fato de tia Vanda o haver emprestado a mim por volta de 2002 para que eu pudesse digitalizar, preservar e disseminar suas fotos. Tia Vanda faleceu este ano, e lhe faço dessas postagens uma homenagem póstuma!

    Ano passado, juntei o álbum a várias cópias de outras fotos de seu interesse, além de várias outas fotos avulsas originais que ela também me havia confiado, e devolvi tudo com um bilhete de imensa gratidão. Fico feliz que o tenha feito antes de seu falecimento. Fatos como esses me assustam e me lembram com ainda mais clareza da brevidade da vida, do peso de assumirmos a responsabilidade pelo que somos e fazemos aqui e agora e do horror da procrastinação, que nos assola a todos!

    Como o álbum chegou às mãos da tia Vanda

    O referido álbum foi passado às mãos do tio de meu pai, Celico Medeiros, casado com a tia Maruca Melo. Por ocasião do falecimento desses, o álbum ficou em poder dos filhos. Por ser tia Vanda casada também com um Mello, da mesma família, isso explica por que o álbum foi parar justamente nas mãos dela dentre todos os outros irmãos de meu pai.

    Quando Nelson Medeiros Franke, meu primo, foi ao Herval há quase dois anos, conseguiu identificar algumas das pessoas retratadas neste álbum e, com a ajuda do seu Aldemiro Teixeira Medeiros, outro parente nosso, descobriu outro álbum de Ambrosina, semelhante a este, mas em terrível estado de deterioração. Muitas outras fotos constavam desse outro álbum, sendo algumas delas identificadas, digitalizadas, preservadas e publicadas por Nelson em seu fantástico site Medeiros Franke. Esse referido álbum, de cor azul, será tratado em outra série de postagens.

    Depois da última postagem, postarei também um índice para auxiliar o leitor e consulente a navegar por este maravilhoso álbum de Ambrosina.

    Ao compilar este álbum virtual, alguns princípios nortearam meu trabalho:

    • Disponibilizar as imagens de modo que mostrassem fielmente os originais, com todas as marcas do tempo. Como se o internauta estivesse ou pudesse estar com o álbum em mãos.
    • Procurar indicar características do álbum, das fotos, do material empregado ou da montagem que escapam a um consulente via Internet. O objetivo é conferir o máximo possível de prazer real a quem percorrer as páginas do álbum. (Espero que você possa até sentir o cheiro maravilhoso de um álbum de 1850 surpreendentemente bem preservado!)
    • Mostrar a seqüência exata das páginas e das fotos, ainda que as fotos, como estão hoje, não sigam necessariamente a ordem original do álbum ou a ordem que tinha quando foi passado às mãos de minha tia paterna Vanda Medeiros Mello.
      Quarta e quinta páginas

      Quarta e quinta páginas

      Quarta foto (frente e verso)

      Quarta foto (frente e verso)

      5,5 x 9,4 (foto)

      6,4 x 10,2 (passe-partou)

      Quinta foto (frente e verso)

      Quinta foto (frente e verso)

      5,3 x 9,2 (foto)

      6,3 x 10,3 (passe-partou)

      Publicado por: Fabiano Medeiros | 1 outubro, 2009

      Álbum de minha bisavó Ambrosina da Costa Medeiros – p. 2 e 3

      Ambrosina da Costa Medeiros é minha bisavó por parte de pai. O álbum que passarei a publicar em várias postagens a partir desta pertencia a ela e foi até hoje bem preservado por minha tia Vanda Medeiros Melo, neta dela, irmã de meu pai.

      A publicação dessas postagens com fotos e explicações sobre o álbum revestem-se de um senso profundo de gratidão não só pela preservação cuidadosa do álbum, mas pelo fato de tia Vanda o haver emprestado a mim por volta de 2002 para que eu pudesse digitalizar, preservar e disseminar suas fotos. Tia Vanda faleceu este ano, e lhe faço dessas postagens uma homenagem póstuma!

      Ano passado, juntei o álbum a várias cópias de outras fotos de seu interesse, além de várias outas fotos avulsas originais que ela também me havia confiado, e devolvi tudo com um bilhete de imensa gratidão. Fico feliz que o tenha feito antes de seu falecimento. Fatos como esses me assustam e me lembram com ainda mais clareza da brevidade da vida, do peso de assumirmos a responsabilidade pelo que somos e fazemos aqui e agora e do horror da procrastinação, que nos assola a todos!

      Como o álbum chegou às mãos da tia Vanda

      O referido álbum foi passado às mãos do tio de meu pai, Celico Medeiros, casado com a tia Maruca Melo. Por ocasião do falecimento desses, o álbum ficou em poder dos filhos. Por ser tia Vanda casada também com um Mello, da mesma família, isso explica por que o álbum foi parar justamente nas mãos dela dentre todos os outros irmãos de meu pai.

      Quando Nelson Medeiros Franke, meu primo, foi ao Herval há quase dois anos, conseguiu identificar algumas das pessoas retratadas neste álbum e, com a ajuda do seu Aldemiro Teixeira Medeiros, outro parente nosso, descobriu outro álbum de Ambrosina, semelhante a este, mas em terrível estado de deterioração. Muitas outras fotos constavam desse outro álbum, sendo algumas delas identificadas, digitalizadas, preservadas e publicadas por Nelson em seu fantástico site Medeiros Franke. Esse referido álbum, de cor azul, será tratado em outra série de postagens.

      Depois da última postagem, postarei também um índice para auxiliar o leitor e consulente a navegar por este maravilhoso álbum de Ambrosina.

      Ao compilar este álbum virtual, alguns princípios nortearam meu trabalho:

      • Disponibilizar as imagens de modo que mostrassem fielmente os originais, com todas as marcas do tempo. Como se o internauta estivesse ou pudesse estar com o álbum em mãos.
      • Procurar indicar características do álbum, das fotos, do material empregado ou da montagem que escapam a um consulente via Internet. O objetivo é conferir o máximo possível de prazer real a quem percorrer as páginas do álbum. (Espero que você possa até sentir o cheiro maravilhoso de um álbum de 1850 surpreendentemente bem preservado!)
      • Mostrar a seqüência exata das páginas e das fotos, ainda que as fotos, como estão hoje, não sigam necessariamente a ordem original do álbum ou a ordem que tinha quando foi passado às mãos de minha tia paterna Vanda Medeiros Mello.
        Segunda e terceira páginas

        Segunda e terceira páginas

        Segunda foto (frente)

        Segunda foto (frente)

        5,5 x 9,3 (foto)

        6,4 x 10,3 (passe-partout)

        A segunda foto do álbum também me pareceu ser de Sebastião da Costa Medeiros, meu bisavô, primo e esposo de Ambrosina da Costa Medeiros. A razão é a inscrição no verso (v. abaixo) e alguma semelhança desse homem com Sebastião, o que se vê em uma foto dele já em idade bem avançada. Esta outra foto, mais recente, foi inequivocamente identificada por minha tia, Vanda, atual dona do álbum.

        Segunda foto (verso)

        Segunda foto (verso)

        Inscrição no verso: Ambrozina.

        Terceira foto (frente)

        Terceira foto (frente)

        5 x 9 (foto)

        6 x 10,2 (passe-partout)

        Inscrição da foto: Astrogildo Per.a da Costa. Trata-se do Barão de Aceguá, tio e padrinho de Ambrosina da Costa Medeiros.

        Um primo distante, descendente direto dos Amaros da Silveira, que descobri neste ano de 2003, residente em Porto Alegre e com quem tenho me correspondido, informou possuir a espada de Astrogildo. Será a da foto? Averiguaremos.

        Terceira foto (verso)

        Terceira foto (verso)

        Inscrição da foto: Offerecido a mia. afilhada, Ambrosina, em sinal de amisade. Sam Borgito na Província Paraguaia. 13 de junho de 1866. A subtração é de período obviamente posterior, feita, é evidente, no ano de 1928 por alguém que na época desejava identificar com precisão a idade da foto. Trata-se de conta feita a lápis.

        Publicado por: Fabiano Medeiros | 1 outubro, 2009

        Álbum de minha bisavó Ambrosina da Costa Medeiros – Guarda 3, Página 1

        Ambrosina da Costa Medeiros é minha bisavó por parte de pai. O álbum que passarei a publicar em várias postagens a partir desta pertencia a ela e foi até hoje bem preservado por minha tia Vanda Medeiros Melo, neta dela, irmã de meu pai.

        A publicação dessas postagens com fotos e explicações sobre o álbum revestem-se de um senso profundo de gratidão não só pela preservação cuidadosa do álbum, mas pelo fato de tia Vanda o haver emprestado a mim por volta de 2002 para que eu pudesse digitalizar, preservar e disseminar suas fotos. Tia Vanda faleceu este ano, e lhe faço dessas postagens uma homenagem póstuma!

        Ano passado, juntei o álbum a várias cópias de outras fotos de seu interesse, além de várias outas fotos avulsas originais que ela também me havia confiado, e devolvi tudo com um bilhete de imensa gratidão. Fico feliz que o tenha feito antes de seu falecimento. Fatos como esses me assustam e me lembram com ainda mais clareza da brevidade da vida, do peso de assumirmos a responsabilidade pelo que somos e fazemos aqui e agora e do horror da procrastinação, que nos assola a todos!

        Como o álbum chegou às mãos da tia Vanda

        O referido álbum foi passado às mãos do tio de meu pai, Celico Medeiros, casado com a tia Maruca Melo. Por ocasião do falecimento desses, o álbum ficou em poder dos filhos. Por ser tia Vanda casada também com um Mello, da mesma família, isso explica por que o álbum foi parar justamente nas mãos dela dentre todos os outros irmãos de meu pai.

        Quando Nelson Medeiros Franke, meu primo, foi ao Herval há quase dois anos, conseguiu identificar algumas das pessoas retratadas neste álbum e, com a ajuda do seu Aldemiro Teixeira Medeiros, outro parente nosso, descobriu outro álbum de Ambrosina, semelhante a este, mas em terrível estado de deterioração. Muitas outras fotos constavam desse outro álbum, sendo algumas delas identificadas, digitalizadas, preservadas e publicadas por Nelson em seu fantástico site Medeiros Franke. Esse referido álbum, de cor azul, será tratado em outra série de postagens.

        Depois da última postagem, postarei também um índice para auxiliar o leitor e consulente a navegar por este maravilhoso álbum de Ambrosina.

        Ao compilar este álbum virtual, alguns princípios nortearam meu trabalho:

        • Disponibilizar as imagens de modo que mostrassem fielmente os originais, com todas as marcas do tempo. Como se o internauta estivesse ou pudesse estar com o álbum em mãos.
        • Procurar indicar características do álbum, das fotos, do material empregado ou da montagem que escapam a um consulente via Internet. O objetivo é conferir o máximo possível de prazer real a quem percorrer as páginas do álbum. (Espero que você possa até sentir o cheiro maravilhoso de um álbum de 1850 surpreendentemente bem preservado!)
        • Mostrar a seqüência exata das páginas e das fotos, ainda que as fotos, como estão hoje, não sigam necessariamente a ordem original do álbum ou a ordem que tinha quando foi passado às mãos de minha tia paterna Vanda Medeiros Mello.
        Primeira página

        Terceira guarda e primeira página

        Primeira foto (frente)

        Primeira foto (frente)

        5,4 x 8,2 (foto propriamente)

        6,3 x 10,5 (passe-partout)

        A borda azul é original. A foto, como todas deste álbum, é colada sobre cartão bem espesso e resistente. No rodapé da foto, a inscrição parece indicar retratista e local: Santiago de Castro, Rio Grande do Sul. Cheguei a pensar que o retrato seria de Sebastião da Costa Medeiros, meu bisavô, primo e esposo de Ambrosina. Talvez isso explicasse o fato de essa foto constar da primeira página. Não pude comprovar a identidade da foto nem o fato de ser a ordem atual aquela deixada no álbum por Ambrosina quando o passou às próximas mãos.

        Primeira foto (verso)

        Primeira foto (verso)

        Inscrição do primeiro círculo inferior: Exposição Brasileira 1881. Inscrição do segundo círculo inferior: GRATIA LABORATIBI SOLATIA PRAEBES HONRA [ilegível]. Inscrição do quarto círculo inferior: …AL EXHIBITION …DBY …ATES …NAL …ION MDCCCLXXVI (os pontos suspensivos indicam a primeira metade de cada palavra escondida pelo terceiro círculo). Inscrição do rodapé da foto: TRAPP & MÜNCH, BERLIN.

        Publicado por: Fabiano Medeiros | 1 outubro, 2009

        Álbum de minha bisavó Ambrosina da Costa Medeiros – Guarda 5 e 6

        Ambrosina da Costa Medeiros é minha bisavó por parte de pai. O álbum que passarei a publicar em várias postagens a partir desta pertencia a ela e foi até hoje bem preservado por minha tia Vanda Medeiros Melo, neta dela, irmã de meu pai.

        A publicação dessas postagens com fotos e explicações sobre o álbum revestem-se de um senso profundo de gratidão não só pela preservação cuidadosa do álbum, mas pelo fato de tia Vanda o haver emprestado a mim por volta de 2002 para que eu pudesse digitalizar, preservar e disseminar suas fotos. Tia Vanda faleceu este ano, e lhe faço dessas postagens uma homenagem póstuma!

        Ano passado, juntei o álbum a várias cópias de outras fotos de seu interesse, além de várias outas fotos avulsas originais que ela também me havia confiado, e devolvi tudo com um bilhete de imensa gratidão. Fico feliz que o tenha feito antes de seu falecimento. Fatos como esses me assustam e me lembram com ainda mais clareza da brevidade da vida, do peso de assumirmos a responsabilidade pelo que somos e fazemos aqui e agora e do horror da procrastinação, que nos assola a todos!

        Como o álbum chegou às mãos da tia Vanda

        O referido álbum foi passado às mãos do tio de meu pai, Celico Medeiros, casado com a tia Maruca Melo. Por ocasião do falecimento desses, o álbum ficou em poder dos filhos. Por ser tia Vanda casada também com um Mello, da mesma família, isso explica por que o álbum foi parar justamente nas mãos dela dentre todos os outros irmãos de meu pai.

        Quando Nelson Medeiros Franke, meu primo, foi ao Herval há quase dois anos, conseguiu identificar algumas das pessoas retratadas neste álbum e, com a ajuda do seu Aldemiro Teixeira Medeiros, outro parente nosso, descobriu outro álbum de Ambrosina, semelhante a este, mas em terrível estado de deterioração. Muitas outras fotos constavam desse outro álbum, sendo algumas delas identificadas, digitalizadas, preservadas e publicadas por Nelson em seu fantástico site Medeiros Franke. Esse referido álbum, de cor azul, será tratado em outra série de postagens.

        Depois da última postagem, postarei também um índice para auxiliar o leitor e consulente a navegar por este maravilhoso álbum de Ambrosina.

        Ao compilar este álbum virtual, alguns princípios nortearam meu trabalho:

        • Disponibilizar as imagens de modo que mostrassem fielmente os originais, com todas as marcas do tempo. Como se o internauta estivesse ou pudesse estar com o álbum em mãos.
        • Procurar indicar características do álbum, das fotos, do material empregado ou da montagem que escapam a um consulente via Internet. O objetivo é conferir o máximo possível de prazer real a quem percorrer as páginas do álbum. (Espero que você possa até sentir o cheiro maravilhoso de um álbum de 1850 surpreendentemente bem preservado!)
        • Mostrar a seqüência exata das páginas e das fotos, ainda que as fotos, como estão hoje, não sigam necessariamente a ordem original do álbum ou a ordem que tinha quando foi passado às mãos de minha tia paterna Vanda Medeiros Mello.
          Guarda traseira

          Guarda traseira

          Publicado por: Fabiano Medeiros | 1 outubro, 2009

          Álbum de minha bisavó Ambrosina da Costa Medeiros – Guardas 1 e 2

          Ambrosina da Costa Medeiros é minha bisavó por parte de pai. O álbum que passarei a publicar em várias postagens a partir desta pertencia a ela e foi até hoje bem preservado por minha tia Vanda Medeiros Melo, neta dela, irmã de meu pai.

          A publicação dessas postagens com fotos e explicações sobre o álbum revestem-se de um senso profundo de gratidão não só pela preservação cuidadosa do álbum, mas pelo fato de tia Vanda o haver emprestado a mim por volta de 2002 para que eu pudesse digitalizar, preservar e disseminar suas fotos. Tia Vanda faleceu este ano, e lhe faço dessas postagens uma homenagem póstuma!

          Ano passado, juntei o álbum a várias cópias de outras fotos de seu interesse, além de várias outas fotos avulsas originais que ela também me havia confiado, e devolvi tudo com um bilhete de imensa gratidão. Fico feliz que o tenha feito antes de seu falecimento. Fatos como esses me assustam e me lembram com ainda mais clareza da brevidade da vida, do peso de assumirmos a responsabilidade pelo que somos e fazemos aqui e agora e do horror da procrastinação, que nos assola a todos!

          Como o álbum chegou às mãos da tia Vanda

          O referido álbum foi passado às mãos do tio de meu pai, Celico Medeiros, casado com a tia Maruca Melo. Por ocasião do falecimento desses, o álbum ficou em poder dos filhos. Por ser tia Vanda casada também com um Mello, da mesma família, isso explica por que o álbum foi parar justamente nas mãos dela dentre todos os outros irmãos de meu pai.

          Quando Nelson Medeiros Franke, meu primo, foi ao Herval há quase dois anos, conseguiu identificar algumas das pessoas retratadas neste álbum e, com a ajuda do seu Aldemiro Teixeira Medeiros, outro parente nosso, descobriu outro álbum de Ambrosina, semelhante a este, mas em terrível estado de deterioração. Muitas outras fotos constavam desse outro álbum, sendo algumas delas identificadas, digitalizadas, preservadas e publicadas por Nelson em seu fantástico site Medeiros Franke. Esse referido álbum, de cor azul, será tratado em outra série de postagens.

          Depois da última postagem, postarei também um índice para auxiliar o leitor e consulente a navegar por este maravilhoso álbum de Ambrosina.

          Ao compilar este álbum virtual, alguns princípios nortearam meu trabalho:

          • Disponibilizar as imagens de modo que mostrassem fielmente os originais, com todas as marcas do tempo. Como se o internauta estivesse ou pudesse estar com o álbum em mãos.
          • Procurar indicar características do álbum, das fotos, do material empregado ou da montagem que escapam a um consulente via Internet. O objetivo é conferir o máximo possível de prazer real a quem percorrer as páginas do álbum. (Espero que você possa até sentir o cheiro maravilhoso de um álbum de 1850 surpreendentemente bem preservado!)
          • Mostrar a seqüência exata das páginas e das fotos, ainda que as fotos, como estão hoje, não sigam necessariamente a ordem original do álbum ou a ordem que tinha quando foi passado às mãos de minha tia paterna Vanda Medeiros Mello.
          Guarda dianteira

          Guarda dianteira

          Publicado por: Fabiano Medeiros | 1 outubro, 2009

          Álbum de minha bisavó Ambrosina da Costa Medeiros – Lombada

          Ambrosina da Costa Medeiros é minha bisavó por parte de pai. O álbum que passarei a publicar em várias postagens a partir desta pertencia a ela e foi até hoje bem preservado por minha tia Vanda Medeiros Melo, neta dela, irmã de meu pai.

          A publicação dessas postagens com fotos e explicações sobre o álbum revestem-se de um senso profundo de gratidão não só pela preservação cuidadosa do álbum, mas pelo fato de tia Vanda o haver emprestado a mim por volta de 2002 para que eu pudesse digitalizar, preservar e disseminar suas fotos. Tia Vanda faleceu este ano, e lhe faço dessas postagens uma homenagem póstuma!

          Ano passado, juntei o álbum a várias cópias de outras fotos de seu interesse, além de várias outas fotos avulsas originais que ela também me havia confiado, e devolvi tudo com um bilhete de imensa gratidão. Fico feliz que o tenha feito antes de seu falecimento. Fatos como esses me assustam e me lembram com ainda mais clareza da brevidade da vida, do peso de assumirmos a responsabilidade pelo que somos e fazemos aqui e agora e do horror da procrastinação, que nos assola a todos!

          Como o álbum chegou às mãos da tia Vanda

          O referido álbum foi passado às mãos do tio de meu pai, Celico Medeiros, casado com a tia Maruca Melo. Por ocasião do falecimento desses, o álbum ficou em poder dos filhos. Por ser tia Vanda casada também com um Mello, da mesma família, isso explica por que o álbum foi parar justamente nas mãos dela dentre todos os outros irmãos de meu pai.

          Quando Nelson Medeiros Franke, meu primo, foi ao Herval há quase dois anos, conseguiu identificar algumas das pessoas retratadas neste álbum e, com a ajuda do seu Aldemiro Teixeira Medeiros, outro parente nosso, descobriu outro álbum de Ambrosina, semelhante a este, mas em terrível estado de deterioração. Muitas outras fotos constavam desse outro álbum, sendo algumas delas identificadas, digitalizadas, preservadas e publicadas por Nelson em seu fantástico site Medeiros Franke. Esse referido álbum, de cor azul, será tratado em outra série de postagens.

          Depois da última postagem, postarei também um índice para auxiliar o leitor e consulente a navegar por este maravilhoso álbum de Ambrosina.

          Ao compilar este álbum virtual, alguns princípios nortearam meu trabalho:

          • Disponibilizar as imagens de modo que mostrassem fielmente os originais, com todas as marcas do tempo. Como se o internauta estivesse ou pudesse estar com o álbum em mãos.
          • Procurar indicar características do álbum, das fotos, do material empregado ou da montagem que escapam a um consulente via Internet. O objetivo é conferir o máximo possível de prazer real a quem percorrer as páginas do álbum. (Espero que você possa até sentir o cheiro maravilhoso de um álbum de 1850 surpreendentemente bem preservado!)
          • Mostrar a seqüência exata das páginas e das fotos, ainda que as fotos, como estão hoje, não sigam necessariamente a ordem original do álbum ou a ordem que tinha quando foi passado às mãos de minha tia paterna Vanda Medeiros Mello.
            Lombada

            Lombada

            A lombada mede 6 cm de largura por 14,5 cm de comprimento. Todas as listras, em alto-relevo.

            Older Posts »

            Categorias